MEU AMOR É UM JARDINEIRO

Meu amor quando veio

enganou-me e fez fita:

com jeito de cosmopolita,

caía-lhe bem na fita,

ele era é jardineiro.

Meu amor quando veio

falava de livros, romances.

Lia minhas poesias,

divertiam-lhe meus rompantes.

Mas ia largando sementes,

cuidando de alguns canteiros,

brotando-me um coração amante.

Meu amor me enganou feio.

Tão bem ele me enganou

que eu nem me dava conta

que ele era o meu amor.

Tão bem ele me enrolou

com sua conversa bonita

que eu pensei que não vingava

mas ele já tinha um jardim

florindo dentro de casa.

Meu amor jardineiro

plantou-me margaridas

e beijos de todas as cores

em cada canto da vida.

E agora que descubro

que ele me enganou tão feio,

já gosto tanto das flores

que quero este amor jardineiro.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 27/05/2005
Código do texto: T20055
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.