Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Absolutismo do nada

A noite adormece. A meia lua, linda e solitária, abocanha a noite, como se o tédio fosse a solução.
 
Eu, aqui, a sonhar estrelas. A imaginar perfumes, a querer sabores...
Sempre a desejar o além do além. Tudo tão simples e ao mesmo tempo tão ilógico. Como querer estar onde não estou? Como querer tocar o que não é palpável? Mas eu sonho. Acordo a noite,  sacolejo o vento, que até então era brisa, tentando fazê-lo tufão... tudo tão complexo, neste amplexus buscando corpo onde se encontra solidão.
 
A arte é minha. E nela não sei definir o que se é linha do que se é curva. E as sombras são como cílios semicerrados borrados de rímel lilás. E tudo vira paixão nesta hora que a lua ironiza com um molejo de  desdém – não vê estrelas sós. Vê amontoado de cacos iluminados que, sem calor, apenas lá, escondem-se atrás das nuvens... a lua, eu, a noite, nós, sós.
 
E perco os ponteiros.
Perco o aviso do letreiro.
Perco o bonde.
Perco a nave.
Perco a vida.
Perco a arte.
 
Casuísmo.
Perco o único momento em que a lucidez me abocanhou.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 30/06/2005
Código do texto: T29492


Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
510 textos (26710 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/20 12:08)
Dora Leal