Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Das crenças no eterno



"Eu bem que quis acreditar na eternidade..."
E me pensei "ser de luz"
mas sou fogo-fátuo, mero efeito
do rarefeito gás emanado dos aterros
ou de enterros malfeitos
[sabe-se lá o leito final dado aos meus versos?].
Quis crer na eternidade
mas me vi meteorito e brilhei por um instante;
do espaço ao chão me fiz pó de estrela...
E a eternidade durou menos que nada - um átimo
da fissura do átomo - múon? sou isso?
trespassando corpos, almas, pensamentos?

Essa eternidade efêmera dos sonhos interrompidos
pelo estampido, pelo grito na noite de medos e estertores
ou da manhã que irrompe à luz do sol rompente,
rompante corcel trazendo o dia, o tédio, a monotonia
e essa melancolia de poeta aprendiz
tentando crer no não ter fim.
Poeteiro
Enviado por Poeteiro em 19/01/2012
Código do texto: T3449094

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poeteiro
Santos Dumont - Minas Gerais - Brasil
440 textos (11386 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 20:04)
Poeteiro