Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UNÍVOCO
Lílian Maial
 
 
 
Uma água, assim, azul,
cristalino bálsamo,
fonte de escoar o pó do breu.
 
Refaz-se em sol a ânsia do verbo
e a fenda na rocha
permite à luz desenhar acalanto.
 
Um bando de pássaros divide penas,
doces gestos de amor.
 
Corre esse rio atravessado no peito,
raios de versos,
cócegas no desencanto,
travessuras no tempo de amparo.
 
Junto às margens da urgência:
relva, mato virgem, verde.
Água e conforto, sustento de rocha.
Emerge o cântico, a cura dos dias.
 
Vem a mãe e doa o colo.
Vem o pai e abraça o justo.
A queda já não dói.
As pernas já não tremem.
 
Dissolve-se o poema no canto do olho.
Hora de deitar nos braços tantos
e ouvir a poesia das mãos estendidas.
 
 
************
 
Não há solidão no mar de encontros.
Não há palavra que defina a gratidão.

Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 13/03/2012
Código do texto: T3552659

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1181 textos (266562 leituras)
21 áudios (13978 audições)
3 e-livros (1505 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/19 06:08)
Lílian Maial

Site do Escritor