Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Irracional

Arrastado de corpo por um mar de vozes,
transportado leve por braços de idéias
dizem de mim o louco.
Carrego roupas que me carregam,
ossos que são flautas desafinadas.
Pele que já é fina casca por romper-se.

As palavras saltam de mim, pelo nariz, ouvidos,
unhas, pêlos.
A razão me foge pelos cabelos.
Desgraçado, talvez; de louco, nada.

Persigo cheiros, gestos, flores de vestido.
Invado festas, corpos e debates.
Rasgo os véus do falso moralismo,
estrago o baile do mascarados,
que não quero rostos escondidos!

Revoltados,
revoltosos roubam o meu rosto,
fazem de mim caricatura, bicho,
estranha criatura.

Embriagam-me com idéias diretas, direitas, direitistas.
Amanheço nu em uma sarjeta imunda.
Perdi as roupas, a memória
e algum dinheiro amassado.
Ganhei um perfume de esgoto e urina.

Que me resta, a não ser bailar o tango da solidão?!

Jorgito
Enviado por Jorgito em 29/01/2007
Reeditado em 02/01/2008
Código do texto: T362737


Comentários

Sobre o autor
Jorgito
Bento Gonçalves - Rio Grande do Sul - Brasil, 37 anos
61 textos (2281 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 12:34)
Jorgito