Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INOCÊNCIAS I

INOCÊNCIAS I

Meu filho dorme seu sono implacável
na boca secreta da noite.
Seus suspiros de frouxa lassidão
reverberam em minha aura de eremita.

Meus olhos são duas águias dos penhascos
aguardando, pacientes, a erosão dos píncaros.
Deito a cabeça, adormeço, ressucito
e digo a mim mesmo que amanhã
darei um jeito em meu coração:
(embora nunca cumpra promessas
fendidas a tristeza) serei feliz.

Abraço o estreito tronco do menino
e vou de mim desentranhar o temor
do dia que há de vir.

O garoto ressona, braços abertos.
Absorvo a calma desse sábado insone
injetando fórmulas miligramadas
preparadas por mãos nervosas
ansiosas por fugir à apatia
desse dia que não perdoa
e desponta da boca ferida da noite.

Os olhos do menino são louças
que com todo cuidado se mostram,
descortinam meu universo de caos
e se fecham, solenemente
sobre faianças
que os adultos empenham
para não perder o sono das crianças

até que adormeço
e meu ressonar é procela
ameaçando a bonança.

II
Quem perguntaria, nesta noite amena,
ao menino que dorme plácido:
que sonhas, broto de textura tenra,
que teus lábios desdobram sorriso
vago?
Insonio. Você dorme.
Eu finjo que vivo.

A noite a mim consome
em meu esconderijo
Esconde
Erijo
Rijo

Ouço vozes merencórias.
Noturnos sons.
jgmoreira
Enviado por jgmoreira em 10/02/2007
Código do texto: T376642


Comentários

Sobre o autor
jgmoreira
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 61 anos
447 textos (4101 leituras)
122 áudios (2981 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 10:52)
jgmoreira