Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AUTOFAGIA

AUTOFAGIA

NÃo amo nada. Disse e repito.
que sejam as rosas dadas aos românticos.
Deixem-me com o concreto, êmbolos e sais.

Esqueçam. Que aqueles que chamei amigos
Se esqueçam deste que depõe a caneta
Dobra-se ao decúbito e esquece o mundo.

Passo indiferente pelas ruas
Sequer olhando para a lua
Que brilha nos olhos dos sensí¬veis.

Meu coração é pura vastidão e silencio
Sol e algumas nuvens divertidas no deserto;
As artérias conduzem areia e sal pelo corpo.

Não me falem notí¬cias! De que valerão?
Não cabe a mim mover o mundo
De nada valerá minha intervenção.

Deixem as rosas serem distribuí¬das
Não impeçam a passagem de Moacyr
Nas boates do centro da cidade.

Apenas não as tragam para mim!
Não me tragam nada!
Não me hostilizem com essas nulidades!

Alijei-me do mundo.
Quero o balsâmico silencio
Para esquecer tudo

Esquecer das mortes, agoniação
Esquecer as alcatéias famintas
Vivendo em meu coração

Esquecer que a cada dia que passo
Alimento a mim mesmo com
Nacadas autofágicas da minha emoção


Não amo nada, já repeti
Apenas verto minha dor
No cálice que me embriaga.
jgmoreira
Enviado por jgmoreira em 10/02/2007
Código do texto: T377044


Comentários

Sobre o autor
jgmoreira
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 61 anos
447 textos (4101 leituras)
122 áudios (2981 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/20 11:55)
jgmoreira