Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem pressa



 

 

 

Não se anda depressa, não se olha,

Não se abre a carta, todos fazemos devagar, sem

Pressa, a nossa morte com vagar.

 

 

Esse infinito olhar, esse hálito de respirar,

Como poderia ser de outra maneira

O nosso ostentado caminhar

Cada passo, cada vírgula, o nosso irónico gozo

De desfrutar.

 

Tanta chuva caída em palavras, tanto aço em verdades

Tanta carícia no amor,

Do que ficar, ficará gravado no tempo,

Como desespero do pleito

Desta ogiva que me cresce no peito,

 

Existência, que um dia na pedra um deus gravará.

 

Constantino Mendes Alves
Enviado por Constantino Mendes Alves em 18/02/2007
Código do texto: T385229
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Constantino Mendes Alves
Portugal
324 textos (3851 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 08:20)
Constantino Mendes Alves