Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RESTO

No Campo de Marte passarão a caixinha,
Mas, deixarão coletores:
Na Europa a esmola escasseia,
O Banco é do Vaticano,
As sociedades são anônimas,
A fé afundou na fantasia
E a heresia virou conto da carochinha,
Não mata mais ninguém nas fogueiras...

Apropriaram-se do Profeta dos outros,
Criaram a sua própria sentença:
Em nome da paz só semearam violência,
Comeram até encher a pança
E agora querem as ovelhas
Que dormem no berço já não tão esplêndido
Antes que acordem
Ou morram afogadas nos restos do saque
Pelas contas bancárias.

O Império que afunda quer fazer coro
Com os que querem o coro das árvores
E das águas limpas,
Mas esquecem que o ouro
Que enfeita seus altares
Faz falta nos lares dos ribeirinhos

A hipocrisia esconde rios que correm sujos
De óleo e de sangue
Bem em baixo dos seus pés:
É fácil agora querer um jardim
Depois da sua terra arrasada
E a nossa saqueada.

Roubaram também os olhos dos cordeirinhos
Dormentes pelos poderes dos homens das Leis
Que se abraçam na grande farsa
Para que lhes sobre noutros paraísos
Enquanto a miséria sobe em morros
E a violência despenca
Morro abaixo.


Chico Steffanello
Enviado por Chico Steffanello em 20/02/2007
Código do texto: T387912

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Chico Steffanello
Sinop - Mato Grosso - Brasil, 62 anos
240 textos (30642 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 03:53)
Chico Steffanello