CABEÇA-DE-NEGRO

Naquele reinado onde a terra é fértil,

tudo que se planta dá,

o trono era verde amarelo,

os príncipes vestiam vermelho

no palácio azul caramelo,

a Coroa aparentemente era o espelho,

fulgurava, reluzia no florão da América,

mas tudo tem um preço $real,

e no labirinto palaciano,

alianças espúrias, acordos secretos

sustentavam aquele reinado sul americano;

E o povo? ah! os súditos,

sobreviviam da esperança prometida,

matavam a fome com brioches de sonhos,

como sonho foi o trabalho, a lida,

sofriam impotentes, sem vertentes,

noite sem lua, nem estrelas...

os vassalos-bonecos exploravam o tesouro,

arrancados do povo já sem couro.

O rei? borboleteava em sua carruagem voadora,

perdido no deslumbramento imperial,

tornava realidade a irreal revolução dos bichos, afinal

a ideologia experimentava o poder,

embebedando-se com o veneno da ambição,

mas nesta Partilha Tenebrosa, a escusa ação

da avidez, da ganância escabrosa,

espalhou-se nos corredores e salas da arrogância,

exalando os odores da podridão,

até que explodiu a Cabeça-de-negro

na fala de um desgarrado,

e nobre cabeças rolaram no tapete sem chão,

os silvas, souzas, marias

viram a verdadeira face da corrupção,

ainda assim naqueles dias,

o rei sorria .... sem sorte, sem trilho,

na coroa uma estrela sem brilho,

no ar um clamor mudo, forte,

a imponência desandou.

E quem quiser escreva outra história,

porque essa ainda não acabou ...

andrade jorge

direitos autorais registrados

08/05