Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Filho desse ou daquele

De tantos mundos fui hospedeiro
conheci o belo e o feio, o manso e a fera
o vírus e a cura, o falso e o verdadeiro

Fui o calor por debaixo das saias das beatas,
fui o cio de virgens imaculadas
fui os lascivos desejos preconceituosos
de belas mulatas

Como Arlequim
muitas cabeças de Pierrôs ornamentei
perco a conta das Colombinas em que me deitei

Nunca fui santo ou médico
não usei um crucifixo pendurado no pescoço
e tão menos, nas mãos, bisturis afiados
mas já operei milagres, abri corpos e almas
mandando para o outro lado muitos santos safados

Minhas vezes de Quixote meus moinhos foram às rosas.
Nunca acreditei naquela beleza se exibindo no alto da roseira
sustentada por espinhos, mostrando-se faceira, exuberante
No entanto, iludindo com falso e  inútil encanto que murcha
em ditas verdades e curtas prosas

Portanto, confio sim nas videiras
do fruto esmagado e pisado
transformam-se em deliciosos vinhos
que molham a secura e alivia a amargura
daqueles que também foram abandonados
nos Hortos das Oliveiras

Fui dono de armazém e mercenário
Alimentei a miséria, fiz a caridade lotando os orfanatos
com as vítimas do meu lucro armamento

Meu chicote, marcaram muitas costas
daqueles pixotes de Babenco
Das bocas dos velhos nos asilos ouvi muito lamentos
com a água ardente afoguei seus sofrimentos

Das pedras que recolhi do meio de meu caminho
construí muralhas, fui arquiteto, fiz meu ninho
E como ateu cá estou injuriado
uns dizem que sou eu filho de Deus
outros que sou cria do diabo
Plínio Sgarbi
Enviado por Plínio Sgarbi em 07/09/2005
Reeditado em 22/09/2011
Código do texto: T48459
Classificação de conteúdo: seguro


Áudio
Hijo de ese o de aquel - Plínio Sgarbi

Comentários

Sobre o autor
Plínio Sgarbi
Jaú - São Paulo - Brasil, 58 anos
241 textos (248255 leituras)
21 áudios (3310 audições)
5 e-livros (531 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/01/21 20:38)
Plínio Sgarbi