Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CORIFEUS

(para Iolete Moreira, ativista cultural)

A noite é turva sob o céu de Campo Grande.
Escombros lúdicos reconstroem mitos, amores.

(O bar, dezesseis anos e sua roupagem.
Renegava-se a nós a cuba-libre, o gin-fizz.
Entre a coqueteleira on the rocks,
a canção italiana e o twist endiabrado,
minissaias sarandeiam na memória.
Eram os infindáveis zelos provincianos.)

Recanta-se o musical luzeiro da adolescência.
Também a foice atroz, sonhos empastelados,
guetos nas províncias notívagas da pátria amada.
Aqui, na capital do Oeste, o som é um matuto
repinicando entre o cerrado e o asfalto.

Aos quase sessenta, lavouras da noite
são jardins de pedra, suas fontes de augustas
águas dançantes, o mesmo néon
e a lei seca das amadas.

Agora, reconstrói-se saberes sobre ventos,
bandeiras e bússolas de agulhas loucas.
Vigiam-nos tesouros insuspeitos,
encantando a AIDS, escorpiões e medos.

Ainda assim vale a madrugada,
seus corifeus cegos de tesão e fugas.

A lua espia por trás dos óculos.

Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 67.


Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 09/09/2005
Reeditado em 10/09/2005
Código do texto: T49156
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 74 anos
3679 textos (918760 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/20 23:29)
Joaquim Moncks