Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Longânimo

Meu egoísmo que lhe foi muito cruel
Como as garras reabrindo as feridas,
Foram tantas horas de amor perdidas
que vagueiam pelo cinza do meu céu.

Não fui do teu querer um merecedor
Nem da paixão dentro do  teu olhar,
As lembranças que me fazem chorar
São  angústias do silêncio da tua dor.

Sinto hoje a minha alma amargurada
Tão tristes foram as pisadas minhas,
Deu-me por amor o amor que tinhas
E em troca apenas eu lhe dei o nada.

Sob o peso do pecado com cara torta
Vou degustando a dor deste  martírio,
Mergulhado na escuridão deste delírio
Me encontro de joelhos em tua porta.

De repente ela abriu-se e recebi a luz
No brilho do rosto a nova esperança,
Deitei-me no colo uma frágil criança
Implorando o perdão, ó amado Jesus.

Envolvido pelas suas mãos celestiais
ouvi sua voz dizer num gesto sereno,
Nunca me afastarei de ti meu pequeno
Levanta a cabeça vai e não peques mais.

Caminhes com fé e tenhas bom ânimo
Lute sempre o bom combate e vencerás,
Nem a morte e nem as trevas tu temerás
Pois eu lhe serei justo, fiel e longânimo.





Jeff Condol
Enviado por Jeff Condol em 31/08/2015
Reeditado em 31/08/2015
Código do texto: T5365529
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Jeff Condol
New York - New York - Estados Unidos
802 textos (112930 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/05/21 06:32)
Jeff Condol