Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Das Prosas, o que se preza...

Desses ventos que nem bem vemos,
Enfunam & levam a nau escura,
Seja qual for a ladeira abaixo, visgos,
Lampejos em fados que a vez empurra,

Valha-me céus, daqueles ao Olímpio,
No que finda o vinha toda secura,
Deidades que afloram, a vez do ímpio,
Nas braças de tantos nós, armadura,

Sombras cadentes pelos subúrbios,
Sua tez alva, que corpo & frescura,
Dissonantes são aqueles distúrbios,
Na calmaria, a boa praia que se fura,

O largo sorriso deixa o vestígio,
Para novos horizontes a fronte oblitera,
Nada mais na vida assim tememos,
Sem deter a sedenta mão que a espera,

Lidas as constelações, o riso ao lábio,
O tanto que falta para a primavera,
Tantas libações pelo tempo teremos,
A nau escura a navegar na véspera,

Doces sabores almagamados sorveremos,
Tantos beijos, essa brisa em ternura,
Corpos saciados, das carícias que tivermos,
Muito além desses tempos, essa paz futura...

Peixão89
02.08.2016
Peixão
Enviado por Peixão em 02/08/2016
Código do texto: T5717017
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Peixão
Santo André - São Paulo - Brasil, 59 anos
3231 textos (121523 leituras)
1 e-livros (245 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 01:37)
Peixão