Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Chuva Oblícua

Tudo tem um início, prefiro as reticências.
A chuva não para. Olhando a sua forma, me perco.
Um filme repentino. É a minha vida.
Não tem importância. Não preciso fingir.
Caminho. Não existe nada ao meu redor.
Erros e acertos. Momentos traumatizantes.
É impressionante como se amadurece com o tempo.
As indagações passam a ter respostas. Até surgirem outras.
Só que agora, tudo faz sentido. Visão de 360º.
Mas só das coisas passadas.
O tempo é o Senhor da Sabedoria.
É o único que acalma a dor e a saudade; absurdas em suas essências. Só ele é capaz de nos tranqüilizar quando perdemos alguém que realmente amamos.
As grandes recompensas sempre são trazidas pelo Lord.
É responsável pelos julgamentos mais sensatos e pelos castigos mais justos.
Quanto mais perceptível é a sua passagem, maiores são os arrependimentos.
E o desespero bate, pois não sabemos o quanto dele ainda temos.
A chuva para. É como se tivesse acordado de um transe.
E tudo se embaralha mais uma vez.
Mas, o que são certezas e verdades absolutas mediante tamanha força?
(...).
Acredito no Grande Império do Tempo, Porque eu cometo erros.

                                                 Homenagem ao tio Bob

Lorrayne Renho
Enviado por Lorrayne Renho em 29/08/2007
Código do texto: T628697

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (citar o nome do autor e o link para a obra original) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lorrayne Renho
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 32 anos
28 textos (991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 23:46)
Lorrayne Renho