Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RÉQUIEM ÀS VÉSPERAS DO TERCEIRO MILÊNIO

(para Adérito Matos Nunes, in memoriam)

“Alegria! Alegria!
Schiller.

A morte fez um buraco no coração dos vivos.
Veio com sua corte, seu séquito de lembranças:
os fados da Mouraria, Ary dos Santos.

Moras, agora, na placidez do etéreo,
na plenitude de quem cumpriu a missão de pensador,
filósofo dos peixes, das paellas valencianas,
das lulas roxas, de olhos mansos e opacos.

Morto, tens a máscara permanente
dos que aceitam a condenação eterna de viver.

No canto de vida e morte de Athaualpa Yupanqui,
Jorge Cafrune, Chalchaleros e Los de Quilla Huasi
sinto a Pampa larga e o Altiplano que amavas.

Se te houvesse conhecido, José Larralde – o da barba tordilha,
por certo romancearia teus poucos fios de cabelo.
E o sol pleno de luz que o teu riso americano iluminava
era o sal dos embebidos de liberdade.

Que surja bem devagar a luz desta manhã
e se erga sonolento o cantar diurno,
para que possamos curtir tua material presença,
ó português dos raios!

Iludamo-nos de que a vida é apenas isso:
estarmos juntos, como postes apagados,
mas certos da proximidade mágica da rua,
artéria por onde correm angústias do coração amado.

Vai-te, português, ao mundo dos sonhos.
Lamentações somos nós próprios,
que ainda não sabemos das vielas estreitas,
espaços e mares que já pisaste e nos ensinaste
no idioma de Shakespeare e Oscar Wilde.

Vai-te com tua bonomia culinária
e prepara a chegada dos dias de festa.
Que um rancho folclórico, de sandálias gastas,
perpasse a alma açoriana,
com os corações do Minho e de Trás-os-Montes,
e atravesse os Pirineus galegos
em tuas novas margens,
com alegrias e alegrias!

Sei que construirás – como sempre fizeste – um Portugal
não tão grande como o de Camões,
nem tão airoso quanto o Poeta da Raça,
Fernando Pessoa.
Mas, por certo, reunirás Gabriel e seus Arcanjos
para um final de tarde
com um bom vinho Mateus e uma lagosta
escondidos sob as asas angelicais
do Malaquias, de Quintana,
e dos sapecas amores celestiais
de Vinicius de Moraes.

Canta, amigo, porque tua passagem sempre valeu a pena
e nunca soubeste ser pequeno
aos olhos e ouvidos de todos nós,
que, para sempre, te saberemos vivo.

Vai, português, aos recantos do universo
do verso vivido,
vai para os teus novos amores.

E que a cerveja esteja bem gelada!

- Do livro O POÇO DAS ALMAS. Pelotas: Ed. da Universidade Federal, 2000, p. 95:7.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/630169
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 30/08/2007
Reeditado em 15/10/2013
Código do texto: T630169
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2912 textos (777319 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 20:15)
Joaquim Moncks