Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Filosofias de outono

FILOSOFIAS DE OUTONO

Pássaro cativo que almeja a liberdade.
Pássaro livre que vive em cativeiro disfarçado.
Sonho com um e vivo na identidade
Do outro, preso ao passado.
Voar para bem distante dos dois.
Ficar no hoje e esquecer o depois.
Na imensidão do céu azul planar.
Sou escrava dos meus costumes,
Dos hábitos, do preconceito,
Sem saber o que é direito
Ou dever eu praticar.
Desejo ser livre e me encontro cativa.
Quero um descanso e estou ativa.
Penso nos outros e o egoísmo,
Egocentrismo e usura
Me desconectam do mundo.
Encontro-me no espaço
Entre o hoje e o amanhã.
Meio ser, meio metal
No esforço, no descompasso
Da vida que passa naquele afã.
Sofro? Não sei se sentimento
Entra nesta história.
Não sei onde foi parar
Minha memória,
Onde estão os amigos
E os amores de outrora.
Eis que raiou a aurora
E já chegou o amanhã.
Nova vida, novos planos.
Novos rumos sem desenganos
No alvorecer do outono.
Folhas amarelas, vermelhas
Incendeiam a paisagem.
Não venha fazer visagem
Que não estou pra brincadeira.
O baile acabou, recolhe a cadeira
E vamos embora neste arrebol.
A noite se foi, raiou o sol
E iluminou a escuridão.
Não sou bêbado e cambaleio.
Não sou pássaro e volteio
No ponteiro do coração.
Não há mais gás, combustível.
Cansei mas não desisto
Daquilo que é insubstituível:
A Esperança, a Paz, o Perdão.
Gilda Porto
Enviado por Gilda Porto em 01/09/2007
Código do texto: T633621
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gilda Porto
Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil
131 textos (16961 leituras)
1 e-livros (151 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 00:08)
Gilda Porto