Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Chat

Perdido nos teus olhos, encontrei-me escondido
No abrigo eqüidistante das tuas pernas torneadas
Oásis num deserto, onde esvaem-se os sentidos
Premido pela sede, tão completa e sufocada

Se mesmo a seca fonte, que não brota em teu umbigo
Secando uma nascente de paixão desesperada
Sem mesmo estar atento à presença do perigo
Sufoco a verve em mim que jorra, enfim, igual cascata

Atento à tua fala, mas pensando no teu sexo
O ponto a que converge a tua imensidão de rios
No traço da sua boca de falar tão desconexo
Que sinto a me beijar, já me atando em desvarios

Mas sinto que me encontro na esquina do teu delta
Perdido na maré que a lua torna ensangüentada
O cálido recanto, a morada que me resta
A fresta donde flagro minha sede saciada

Depois de um breve adeus, pousando um beijo na minha testa
Imune aos pensamentos de que escapas sempre ilesa
Afogo a tensão, que inda persiste sob a mesa,
Sorvendo, em solidão, minha bebida mais gelada.

D.S.





Djalma Silveira
Enviado por Djalma Silveira em 14/09/2007
Código do texto: T652251

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Silveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 49 anos
267 textos (10570 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 20:08)