Poema de Natal

eu não compreendo vocês,

que querem um mundo a uns poucos…

querem um mundo cristão, quando

nem todos são cristãos;

querem um mundo hétero, quando

nem todos são héteros;

querem um mundo menor e só seu,

quando seu mundo é infeliz,

repressivo e chato…

nossa, vocês são muito chatos!

quando penso em viver no seu mundo,

penso que é melhor suicidar-me…

e se o céu é uma cópia do seu mundo,

prefiro não ter alma,

ou me entender com o diabo,

que é, certamente, menos cruel que vocês,

pois oprime menos que o seu proselitismo

tapado,

pois preza mais pela vida

que o sangue do cristo que usam

para amortalhar a felicidade…

jesus era tão mais fraterno que o seu carisma

carrancudo

e que o seu deus

assustador e medonho!

ah, sim, fiquem raivosos comigo

e me mandem queimar na fogueira!

generalizem o que digo

e me chamem de anticristo…

pouco me importa!

não suporto mais sua hipocrisia mesquinha!

dispenso o seu amor custeado

com regras inúteis!

vão à merda com ele!

mãe, você sim, com todos os seus defeitos:

reza por mim sem me obrigar a ir à missa,

me entende mesmo quando não me entende,

tolera, mesmo quando finge compreender,

aprende, mesmo que com muito custo!

você sim, mãe, se lá no céu,

me convide a tomar chimarrão um dia

com deus a nosso lado,

para falarmos mal de bolsonaros

e ouvir jesus bravo por usarem seu nome em vão!

mas se pedro, à porta, disser que tenho que comungar

e desfilar na fila da eucaristia com roupa de domingo

desço de volta a escada e fico no meu canto,

sem paraíso,

mas sem compromisso com o ódio dessa falsa cristandade,

com a lei dos direitos vedados!

eu sim, mãe, quero que as pessoas se sintam felizes,

que tenham natais iguais

e anos novos de concreta esperança,

com a certeza de que estarão remuneradas,

com a certeza de que serão aceitas,

com a certeza de que seus inimigos estarão

amparados

tanto quanto elas,

sem maior poder nem menor

que o respeito

e a igualdade:

que branco, preto, gay,

japonês,

jovem, criança,

idoso,

mineiro, baiano, australiano, nerd,

mulher, homem, frei,

muçulmano, umbandista,

ateu,

fauna e flora

sejam por igual respeitados

e acolhidos pelo estado

e pela lei,

não por simples repressão,

mas por satisfação

e comunidade.

eu sim, mãe, quero que as pessoas

encontrem o céu

aqui mesmo e depois,

desde que plantem a vida,

desde que anunciem a amizade

e o zelo,

o cuidado com o irmão,

amando-o ou não.

pois amar é respeitar,

não abraçar e beijar,

é desejar a alegria,

é dar lugar a que se viva.

não é preciso conversão,

mas re-ligião:

elo entre natureza humana

e deus: princípio fraterno, irmandade.

é isso que deve nascer no 25 de dezembro.

pois, por agora,

jesus continua na cruz,

mostrando o quanto vocês são cruéis.

quando o tirarem de lá,

livres do amargor e da dor,

aí haverá Natal…

aí haverá Jesus!