Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEU TEMPO

Há tanto, deus meu, há quanto tanto tempo,
o meu tempo de sempre se fez meu presente
e, com ele, nasceu meu passado, o poeta alado
que, hoje, meu novo tempo, faz-se quieto, pensante e silente!

Há tanto, deus meu, há tempos de tempestades e bravos ventos
em que soçobraram sonhos e medos, coragens e medonhos fantasmas,
de mim e de tantos que, no tempo e no vento, se atiraram
ao embate ciclópico de si com o próprio eu, com outrem e com deus!

E hoje, deste tempo que já não mais é meu, deste deus
que já não sei de onde; deste lugar que já não conheço ou tenho...
E hoje? Que tempo de mim me dou e que dele faço ou desfaço,
senão relembrar meus solfejos e voz e violão? E... lamentar?

Há tanto, deus meu, meu tempo se vai e, com ele, meu eu se esvai
na poesia e no devaneio, na dor que em meu peito aquieta
os versos e acordes, rebeldes!

Perversos!


CLAUDIO BAHIA
Em 15/09/2007 – 21:04h

CLAUDIO BAHIA
Enviado por CLAUDIO BAHIA em 15/09/2007
Código do texto: T654146

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (CITAR O NOME DO AUTOR E O LINK PARA O SITE http://www.claudiobahia.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CLAUDIO BAHIA
Lauro de Freitas - Bahia - Brasil
63 textos (4040 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 18:46)
CLAUDIO BAHIA