Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O dia que veste negro



A morte é um trem onde pego carona
A febre amarela que sobra da chama
A face no espelho que nos envergonha
O alívio no peito da dor mais medonha

É o bonde insone que não estaciona
A morte é o sentido que nos direciona
É a fúria mais calma e a glória infinda
A morte é a porta que mostra a saída

A morte é um medo no caos dissoluto
O inverno gelado no vento que abraça
A tina, onde funde-se o ser na lembrança
Na noite que o traga num breu absoluto

A morte é a vaga que se ergue das águas
Quebrando na praia e tragando a gente
É a língua sangrenta que nos lava as mágoas
Levando seu sal à ferida aparente

O amigo que parte cortando lá fundo
Naquele que resta na vida sofrendo
Olhando nos olhos da morte inquirindo
O porquê do sorriso no rosto horrendo

Quem fica se parte cortando o umbigo
Num parto nefando que brota pra dentro
Na dor lacerante de um certo momento
Da vida que parte buscando outro abrigo

Não é ela o pranto do corpo que parte
É a parte tirada daquele que fica
A dor e a saudade são os braços da morte
Que nos abraçando, enfim, se multiplica

D.S.
Djalma Silveira
Enviado por Djalma Silveira em 25/09/2007
Código do texto: T668038

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Silveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 49 anos
267 textos (10571 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 23:08)