Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESCENDÊNCIA


Vai, estende tuas mãos sobre as aguas
Não jogue o teu pão cheio de mágoas,
De dor e de fome...
Tuas mãos límpidas voltarão
Ao som da tarde, silenciosa,
Onde te pousarás a rosa da vida
A rosa que se mistura à terra
E que te faz tua guarida...
Lança esses olhos sobre as águas
E as tornarás tal qual o diamante, brilhante!
E colham os feixes da tua poesia na maresia.
Lança tua boca, e colherás a mais estranhas
A mais louca semente das entranhas,
Esse sim será teu pão... Teu perdão.
E que de noite chorará tua fome
E será tua rosa, e tu lhe darás um nome
Com seu sobrenome... E tuas mãos
Límpidas se tornarão, sem pão de mágoas
Ao som da tarde silenciosa, olhando as águas.
Joana de Oviedo
Enviado por Joana de Oviedo em 09/10/2019
Código do texto: T6765229
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Poema de Joana de Oviedo - Direitos reservados). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Joana de Oviedo
Cassilândia - Mato Grosso do Sul - Brasil, 53 anos
5 textos (49 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 08:14)
Joana de Oviedo