Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POR QUE PILAR NÃO CRESCEU?

Às vezes fico a pensar,
Fico aqui a meditar,
Como pode o meu Pilar
Não ter, ao menos, crescido?
Depois de tanta vitória,
De seu passado de glória,
De ter marcado a história,
Não ter se desenvolvido!...

Pesquiso, sim, a verdade,
Por que é que nossa cidade,
Apesar da longa idade,
Não cresceu, não progrediu;
Mas, apenas, se tornou
Um lugar que se emperrou,
Onde o atraso se firmou,
Nesse canto do Brasil!

Pesquisei muitos papéis,
Buscando dados fiéis,
Do tempo dos coronéis,
Que mandavam no redil;
P’ra ver o que aconteceu,
Por que Pilar se encolheu,
Por que Pilar não cresceu,
Por que Pilar regrediu!...

Comprovei a decadência,
O final da existência
Dos engenhos, a falência
Açucareira do lugar;
Com a chegada da usina
Pilar cumpre a triste sina
De viver grande ruína,
Engenhos a se apagar!

Segue, então, seu purgatório,
Pilar perde território
E é tão grande o somatório
De filhas a se emancipar!
Pilar foi se dividindo,
Novas cidades surgindo,
Assim foi se reduzindo
Ao pequenino Pilar!

Pilar ficou pequenino,
Neste solo nordestino,
Mas será que é seu destino
Não crescer, não prosperar?
Ser grande só na história,
Ficar refém da memória,
Em seu passado de glória,
Sem, no presente, avançar?...

Oh meu querido Pilar!
A sua história é sem par!
Mas como desenterrar
Seu grande valor profundo?...
Como quebrar esse muro
Que lhe deixa nesse apuro?
Que lhe prende do futuro,
Soterrando-lhe no mundo?!...

Será que faltou amor?
Mais bravura? mais valor?
Mais cuidado? mais penhor?
Mais força e mais ação?
O que faltou? — Quem me diz,
Pra Pilar ser mais feliz,
Prosperar em meu país?
Faltou determinação?...

O que fazer? — eu pergunto,
Não por falta de assunto,
Mas porque nesse conjunto
Quem sabe resposta é dada
Que nos mostre a solução
Pra ajudar nosso torrão
A brilhar nesta nação
Como joia reencontrada!

Para ser um gran tesouro,
Com todo esplendor de ouro,
Como foi no nascedouro,
A garimpar seu progresso!...
Eu não vejo outra saída
Se não seus filhos, na lida,
Lutar, com fé destemida,
Pra lhe tirar do regresso!

Em vez de culpar alguém
Prefiro pensar que tem
Esperança pro seu bem,
Nova chance a conquistar!
Pra mudar a sua história,
Recuperar sua memória,
Reconquistar a sua glória,
Sua majestade — Pilar!

© Antonio Costta
ANTONIO COSTTA
Enviado por ANTONIO COSTTA em 05/08/2020
Reeditado em 05/08/2020
Código do texto: T7026666
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
ANTONIO COSTTA
Itabaiana - Paraíba - Brasil, 48 anos
888 textos (122504 leituras)
51 áudios (1087 audições)
9 e-livros (278 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/20 20:23)
ANTONIO COSTTA