Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DENTRO DO FORMIGUEIRO

Uma pá de escritos na cova dos desvanecimentos
Como um bloco de cimento que serve de alicerce.
Um retrocesso do acesso ao limite do acaso.

Mas devagar a formiga carrega seu fardo
Andam em fileiras, sinaleiras do destino.

Uma a uma, como as letras que se dissiparam.
Um resgate da volatilização demorada.
O peso da incúria estampado nas veias abertas
Como calhas que escorrem as águas de chuva.

Um trecho que me sinto ausente.
Com as mãos algemadas,
Preso aos supérfluos contingentes multicelulares
Ouvidos aos celulares.

E o resto sempre é a sobra
Sobra o que falta no resto dos rostos desguarnecidos.

Palavras que formam o temor da fala.
A fala que teima, ameaça os acordes dos ouvidos.
Donde “repousa” a angustia em seu sepulcro sem flores.

 Dentro do formigueiro há despensas?
Como os dicionários que organizam palavras
Nas estantes das letras.

Um trecho que me sinto presente.
Com as mãos libertas,
Distante dos supérfluos contingentes multicelulares
Visões aos luares.

Dentro do formigueiro há fome?
Oposto aos verdugos comedores de letras.
Defecam palavras sorteadas.

E a sobra sempre é o resto
Resto do que ainda resta nos semblantes enternecidos.

Dentro do formigueiro há escritos?
Que ostenta um homem de pé, mesmo com o fardo nas costas.
Assim como as minúsculas formigas...
Rommyr Fonttoura
Enviado por Rommyr Fonttoura em 15/11/2007
Reeditado em 15/11/2007
Código do texto: T738067
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rommyr Fonttoura
Mariana - Minas Gerais - Brasil
265 textos (9912 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 18:11)
Rommyr Fonttoura