Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TÂNIA (texto em separado, em homenagem à Marília L. Paixão e à Tatychan)

E se Deus não estiver me esperando do outro lado

Se não me der a mão para me puxar dos vermes, do pó
    Se não ve der outra vida e
     se não for à porta do meu sepulcro dizer
      Levanta-te e anda
Se me deixar lá dentro
    no útero fértil da terra
                 sufocada
                 pisada
                                                 abandonada
Ou será que os bichos de minha carne
    transformar-se-ão em plantinhas baloiçantes
    ao sol de uma manhã de domingo
     em um cemitério cheio de flores
                                              lágrimas
                                                        velhos
E nem ao menos uma criança!

É muito triste ir dormir
    entregar-se assim
    de um modo cômodo e safado
    a uma cama traidora
ao sono
    amante assassino
                     tóxico
                             com efeito de oito horas
Ah, grande bandido
                            poço de cores
                                               de sonhos
                                                             de imagens
      Noite imbecil!
Encarregada de nos arrancar o amanhã
   Glutona, vampira, devoradora de hojes
Para viver sempre indiferente
                            bela
   vestida de luz e veludo
   entre o negro cintilante e o azul descaradamente encantador
Eu vou,
             amiga criminosa
    vou porque é o jeito
        e você
                 onipotente
                               magnífica
                                             só
                                                  compacta
      fica na indiferença de seus anos-luz
                                    rapariga dos astronautas
      bacanal de viagens siderais
O tropel
    os cavaleiros
                     as cornetas
    o barulho ensurdecedor
Oh, pensei-a estéril
    parindo sem cessar
              uma prole de noites
Sem o vermelho não sou
Com o meu vermelho, não!
    É só meu, meu!
    Hoje não vou me deitar
           nem dormir de pé
                  simplesmente
                 não vou dormir
                             ficarei em qualquer lugar
Se eu sair caminhando
    em busca do dia
    você, miserável sarcástica,
               chegará primeiro
                     ao Oriente , para me esperar
Eu quero o céu
   quero meu céu que aprendi
           cheio
                de
                    safiras,  topázios, ametistas, rubis
Quero os tronos
            os leões
                       a luz intensa
                                        os anjos louros
            altos
                   fortes
                            vingadores
    quero antes o Apocalipse
Não! Não, Senhor,
    não me leve ainda
    primeiro o Apocalipse
CADÊ DEUS?
    Deeeeeeeeeeeeeuuuuuuuuuuuussssssssssss!
    Deeeeeeeeeeeeeeeeeeeuuuuuuuuuuuuuuuusssssssssssss!
Pelo amor de Deus
           me dá
                   Tua
                        mão
                              me espera

O Céu se abrindo
                         e
                           CRISTO
    O Juízo Final
Quero ser esmagada, triturada no ar
             pelo mais possante braço
                    de um dos Quatro
Que mil raios me partam!
                      relâmpago
                                   trovão
Tudo, menos o "Tu é pó e a ele haverás de tornar"

 
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 22/11/2007
Reeditado em 22/11/2007
Código do texto: T747550
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1684 textos (177243 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 12:47)
TÂNIAMENESES