Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
PARA UMA ROSA APÉTALA!

=========================================


Tento inutilmente aliviar a dor.


Ela encanece o meu rosto!


As carquilhas,

todas,

amontoando-se uma às outras

declaram-me contingente!...


Insisto por existir!


Vivo alhures...


tentando ser em você!


Revivo contemplando e

tungando com o sofrer,

mas ele é mais persistente e

não alivia um momento sequer,

é recorrente e

atasca meu coração!


Sigo nesta retentiva lembrança

provocando a dor para ver se ela se cansa de mim e,

de repente,

do repente ser que implorava um

sorriso eu consiga merecer o seu amor!...


Não insistirei mais,

nem ousarei repercorrer sensibilidades vividas...


elas terão sido,

nada mais!


Arrepelo, ainda, algumas lágrimas do instante!


Dói sepultar aquilo que ocupou,

por tanto tempo,

lugar especial em minha vida!


Retorço o tergo!


Não conspiro absolutamente nada...


vou afora!


Não cri nas linhas que delimitavam nossos mundos e,

não pude contestá-las,

mas eram imaginárias.


Muito tarde descobri que você é apétala...


contristado me confesso por não

ter percebido tamanha insensibilidade

cuidando de uma rosa estéril,

sem vida e

sem esperança para o amor!


©Balsa Melo

10.01.07

Paraíba

BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Enviado por BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO) em 03/12/2007
Reeditado em 03/12/2007
Código do texto: T763755
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Uberaba - Minas Gerais - Brasil
3010 textos (87929 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 17:53)
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)