Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poema





Vem como a noite,
fechando a luz,
insinua-se como uma mulher,
exalando mistério.
executa como um relógio,
pontual.

Veste-se da mais implacável traição,
a morte.

Conheço-te os passos, o teu odor de Inverno,
a tua fome de existência,

infeliz, nunca saberás este poema
que se faz da incerteza,
da nobreza do amor,
da vontade do sal e do vento na cara.
não sentirás nunca
esta palavra na boca

Será essa Matemática tão boa?
Constantino Mendes Alves
Enviado por Constantino Mendes Alves em 01/01/2008
Código do texto: T799268

Comentários

Sobre o autor
Constantino Mendes Alves
Portugal
324 textos (3851 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/19 11:15)
Constantino Mendes Alves