Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O poeta Nathan de Castro enviou, pela Net, o seguinte soneto, o qual se encontra publicado no «Recanto», como podereis verificar:

                                   Soneto para garimpar sonhos

                                                              Por quantas vezes eu me vi na estrada
                                                              a confundir cristais com diamante...
                                                             Às vezes, penso que perdi o instante
                                                             do apaixonante sonho de alvorada.

                                                             Por quantas vezes vi, sem dizer nada,
                                                             o brilho de uma pétala distante...
                                                            Não fui ao seu encontro e, sempre errante,
                                                             vaguei um verso frio à madrugada.

                                                             Juntando pedras falsas e sonetos,
                                                             sigo a marcar os trilhos do caminho...
                                                             E cumpro esse meu canto garimpeiro!

                                                             Talvez uma pepita entre os gravetos
                                                             do tempo, inda me traga à flor do ninho
                                                             o encanto de um brilhante derradeiro!


E eu enviei-lhe a seguinte resposta:

              Sonho para garimpar sonetos

                  O sonho é um relâmpago fugaz
                  que é necessário transformar em luz.
                  Garimpar, garimpar é a nossa cruz
                  que não nos deixa sossegar em paz.

                  Quando pensamos que a maré nos traz
                  um diamante com que nos seduz,
                  logo expulsamos o que não reluz
                  e que trazemos dentro do cabaz.

                  Reflexivos cristais foram, talvez,
                  lançados para o lixo, dando a vez
                  a um soneto de tremer a voz.

                 Marcar os trilhos do caminho a giz
                 é trabalho ciclópico e infeliz.
                 Poeta-garimpeiro! Vida atroz!

CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 14/01/2008
Reeditado em 14/01/2008
Código do texto: T816902
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (23771 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 08:39)
CARLOS DOMINGOS