DOR MUDA

Quieta lá fora,

inquieta cá dentro.

Silêncio necessário

porque onde mora a dor

silenciar é imperativo.

Ele abafa ruídos

que remoem sentimentos.

E ela sofre.

E eu não sei como se foge do silêncio.

Uma imensa tela em branco.

E negra.

Um silêncio que não aquieta.

Inquieta.

E ruídos.

Que emudecem.

Ela sofre calada.

Eu não sei como tapar a boca da mudez.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 05/04/2005
Código do texto: T9850
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.