ROMPER A CASCA

Romper a casca, abrir o ovo.

Olhar para o mundo.

Fechar-se de novo.

Romper de novo a casca,

de leve, mansinho, à espreita...

Se sair, tudo se lasca

ou será que se ajeita?

Uma esticada de pescoço

e quem sabe se vê melhor...

O frio dói no osso...

Não irá ficar pior?

Estica-se um pouco mais,

quem sabe se se acostuma...

ou agora ou nunca mais,

é isto ou coisa nenhuma!

Metade já está de fora

e outra metade resiste,

ou se sai de vez agora,

ou volta pra trás e desiste...

Mas agora o olho sabe

como é estar do outro lado,

tem pelo menos metade

do saber que lhe é dado...

Romper a casca, deixar o ovo...

Não sei não, pode ser perigoso.

O que fazer com a casca?

Onde deixar o ovo?

Vai, fica aí perguntando,

é aí que tudo se lasca

e começa tudo de novo.

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 05/04/2005
Código do texto: T9882
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.