Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O mesmo medo

O suor frio escorre diante do ar viciado;
Faz necessário devolver-me a calma.
Havia postulado dedicar-me,
Incessantemente até faltar-me o ar...
Até desafogar.

Encurtam todas as distâncias marcadas,
Por sinais luminosos colidindo-se;
Como cartas na manga rasgada,
Como chuva na roupa molhada.

Sumindo, meu controle se despede.
Estremeço só de crer que haverá,
Breve como o presente,
Mais da mesma rotina mórbida,
Atrás da mesma cortina sórdida.

Para respirar meu ar, cansado,
Recorro à minha falta de percepção;
Mas como opção compulsória,
Da solidão de meus corpos dispersos,
Faço de mim, movido por paixão,
Possuidor da felicidade!
...Nem que seja ilusória.
Valter Pereira
Enviado por Valter Pereira em 09/08/2007
Código do texto: T600238

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Valter Pereira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 43 anos
247 textos (10193 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/05/21 04:31)
Valter Pereira