Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Guerra da Vida

Cadê o véu que antes me envolvia
De compaixão que alimentava com fervor?
Cadê o sal insípido da ironia
Que me fazia acreditar no desamor?

Cadê as fendas da pesada armadura
Que envolveu o meu corpo cansado?
Por que não pude ver entre as fendas duras
Onde escondiam os guerreiros sepultados?

Acredito então, mais na minha lança
E menos na sorte que me sorri
Abomino, embora incrédulo, a ganância
De chorar pelo que ainda, nem perdi

Então, seria guerreiro ou escravo
Nessa imensa arena do viver?
Serei amante ou serei sempre amado
Quando nem sei o que o verbo amar quer dizer?

Assim, o escudo, feita da casca mais dura
Foi rompido, pela pétala da rosa
E como a tela, foi ofuscada pela moldura
Continuei a escrever meus versos em prosa

Sabendo, que temer o inimigo
É sensato, e ao mesmo tempo, irracional
Tome mais cuidado com o amigo
Que jura o bem quando quer fazer o mal

Pois quando estas, no chão, jogado
Ser pisado, não dói lá tanto assim.
Dói mais, ser três vezes renegado
Por quem jurou morrer por ti
Rafael Estevan
Enviado por Rafael Estevan em 08/10/2007
Reeditado em 09/10/2007
Código do texto: T685632
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor, e e-mail. Raphael E.; restevan@caloi.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rafael Estevan
Atibaia - São Paulo - Brasil, 28 anos
625 textos (128812 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 06:03)
Rafael Estevan