Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
SODADE DO SERTÃO     Para Ciranda Poética  de Festa Junina
Nadir A. D’Onofrio

Tempo bão, nóís viveu foi no sertão,
Tardinha te esperava,
Banho no riacho tumava.
Dispois, pelado nóis curria,
Por quele verde pastão,
P’ra se enroscá lá no paió...

Ocê ficava aperreado,
Dos meu vestido pertado.
Dizia queu só queria,
Me amostra prô seus peão...
Eitaaa home que isso?
Fiz isso, nunca não...

So munhé só de ocê,
Num tenho zóio, p'ra otro não...
Mai me alembro, bem é da,
Tardinha chuvosa,
No dia que te falei...
Que ciumera é essa?

Par de choramingá home!
Vamu logo se cruzá..uai....
Ocê num vê, que a noite já tai?
Dispois nessa baita escuridão,
Tê que pula por riba da cerca...
Me arranhá, no farpadaõ.

Lembra na úrtima veiz?
Ocê ficou lá, todo enroscado
Disse que quase perdeu as bola...
Dispois atravessamu o pasto molhado
Escorregando nas bosta dos boi...rsss...
Sodade...que sinto lá do sertão...

11/05/2005
Santos/ SP

Respeite Direitos Autorais.


 
Nadir DOnofrio
Enviado por Nadir DOnofrio em 13/07/2005
Reeditado em 12/08/2020
Código do texto: T33849
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Nadir DOnofrio
Serra Negra - São Paulo - Brasil
948 textos (103738 leituras)
147 áudios (14224 audições)
12 e-livros (3185 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/04/21 08:23)
Nadir DOnofrio

Site do Escritor