Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Homenagem para as mães por vários poetas:

------------------------------------------------------------------------------------------------

Mãe


Há desgostos neste mundo,
que muita gente já tem
É o desgosto profundo
de se perder uma mãe

Contigo sonhei mãezinha
e nesta noite a sonhar
Novamente eu te tinha,
mas acordei a chorar!

Deus te quis levar um dia,
prá sua corte celeste
E tirou-me esta alegria,
que tantas vezes me deste

Mãezinha,! Falta me faz,
contigo não poder estar
Trazia-me tanta paz
a tua forma de amar

Eu só peço ao Bom Jesus,
quando triste eu estiver
Que me dê a mesma luz
quando me viste, nascer


A ti, não há outra igual,
não te comparo a ninguém
Eras um ser excepcional,
só tu minha querida Mãe!. 

Esta poesia é da poetisa portuguesa Maria Dulce

------------------------------------------------------------------------------------------------


MÃE... PAI... MÃE...

Mário Osny Rosa

QUANTO É DIFÍCIL
SER MÃE, SER PAI.
AO MESMO TEMPO,
O TEMPO SE VAI...

E CONTINUAS SENDO PAI,
COM O CARINHO DE MÃE.
ESTE DIA TAMBÉM É SEU,
VOCÊ MERECE MUITO MAIS.

PARABENS PELA SUA INTELIGÊNCIA,
POR SEU AMOR A TODA SUA FAMÍLIA.
QUE UMA MÃE PAI MÃE,TEM PARA DAR.
RESTA, RECORDAR DE TUDO QUE PASSOU.


QUAL FOI MINHA ALEGRIA,
EM RECEBER DE VOCÊ A LINDA POESIA.
NESTE DIA, DIA DO PAIS,
PARABENS A VOCÊ, ESTE TAMBÉM É SEU DIA.


FLORIANÓPOLIS, 13 DE AGOSTO DE 2000 

Visite o Site do autor: 
www.mario.poetasadvogados.com.br

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ana 

A na teus olhos azuis são dois diademas,
N o qual eu me perco, quando fito...
A tentar espreitar em teu olhar um pouco de tua alma!

A s horas que passo a teu lado são tão poucas,
N as tuas palavras vou me embalando,
A s tuas risadas vão me alertando, ecom como sinos...

A na assim então transbordando os nossos sentimentos
N egas o amor que então sentimos,
A penas para que não lembremos que morremos pouco a pouco!

A na, não me renegues este amor que sinto,
N os caminhos de teus anos,
A ceita que te amo sem medida,

A ceita que não haverá nunca uma despedida
N ota que o tempo é eterno quando amamos,
A inda mais que o sino não toca, os dobres de nossa despedida!

A na deixa que eu deite em teu colo,
N ão negue o beijo que te peço ou ofereço,
A h! Como eu te adoro! Meus olhos azuis de mar infinito!

A vida nos colocando lado a lado,
N os ofereceu um grande problema:
A mar deveria ter medida? 
Diga-me a senhora! 
Eu obedeço.

Edvaldo Rosa

28/03/2006

Visite o outro site do autor:   www.casadoescritor.com
 
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 08/05/2006
Reeditado em 08/05/2006
Código do texto: T152771
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Edvaldo Rosa
São Paulo - São Paulo - Brasil, 59 anos
1821 textos (191186 leituras)
23 áudios (10878 audições)
40 e-livros (11028 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/02/21 04:15)
Edvaldo Rosa

Site do Escritor