Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Veneno do Vinho


O veneno que tomo desta vítrea garrafa,
Não me faz tão mal quanto tu fizeste-me, senhorita;
Embriagando-me neste nublado dia, fizeste-me um nada;
Pegastes meu coração e o esmagastes, maldita!

Então, agora me enveneno deste quimérico vinho;
Para esquecer-me daquele teu formoso leito, teu ninho;
Repousando a cansada mão em teu seio; e
Tomado de volúpia eu delirar; a saudade à morte levar

Esse vinho, que transforma tudo em ouro;
Leva-nos flutuando ao mais formoso céu;
Faz de ti um tesouro mais precioso;
Quando misturado com a doçura do mel;

Então bebo-o; bebo-o até o fim;
Bebo-o degustando o seu sabor venenoso;
Até minha ébria alma no Letes cair;
E deitar-me adormecido em um sono gostoso.
André Espínola
Enviado por André Espínola em 27/01/2007
Código do texto: T360754

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
André Espínola
Recife - Pernambuco - Brasil, 35 anos
247 textos (12561 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 05:51)
André Espínola