NOITES DE SERENATAS

NOITES DE SERENATAS

Noites de serenatas, tempos idos que pranteiam,

Magistrais menestréis com suas modinhas ao luar,

Violões sonoros com seus belos acordes deleitam,

Fascinantes donzelas que se faziam ouvir e cantar.

Valsas fagueiras eram poemas de encantamentos,

Sob o breu da rua escampada, versos a declamar,

Momentos romanescos de regozijos e acalentos,

Em noites olentes e orvalhadas à seresta aclamar.

Janelas se abriam para escutar o canto melodioso,

Dos trovadores com seus soantes pinhos a dedilhar,

Fulvos raios lunares aplaudiam em gesto afetuoso,

As madrugadas frias e calmas do seresteiro a trovar;

Expressão do romantismo em espetáculo suntuoso,

Das líricas cantigas de amor, sempre hei de lembrar.

Rivadávia Leite

mrxriva14@hotmail.com