Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Morena, querida margarida!

Há, aqueles dias,
Quando a aurora vinha,
Cintilante margarida,
Me fizestes acabrunhado,
Quando em teu olhar, não me vias,
E a dúvida me trazia,
Pesar de quanto sofri, muito penei,
Dos teus olhos afastado, pensei,
Que se teu olhar, não me querer,
Jamais serei e nada amarei,
Não viverei e morrerei,
E jamais eu ei de querer,
Um outro bem.

Mas em certo dia,
Uma nova aurora se fez,
E na alvorada do meio dia,
A tua pele macia, ei de ter,
Foi quando que desesperadamente,
No último ardor da esperança,
Tú me vieste a lembrança,
Quis viver novamente e vivi!
Vivi! Pois Deus me guardavas,
para este lugar e hora,
depois de tanto senhora,
ver-te e falar-te outra vez!

Rever-me em teu rosto amigo,
Pesar em quanto hei perdido,
E este pranto dolorido,
Deixar correr a teus pés,
Pra que nunca se esqueça,
O quanto lhe amo e lhe quero bem,
Tú es minha vida, tú és meu luar,
Tu és meu céu, tu és meu mar,
Tú és a margarida, mais querida,
Que ao raiar do meio dia,
Vieste me consagrar,
E ao badalar do luar,
Vieste me amar.
Geison Adriano do Nascimento
Enviado por Geison Adriano do Nascimento em 14/09/2007
Reeditado em 12/07/2009
Código do texto: T652015

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Geison Adriano do Nascimento
São Paulo - São Paulo - Brasil, 33 anos
22 textos (1464 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 01:39)
Geison Adriano do Nascimento