Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Outro mundo

                                               Introdução-
Por que o mundo é tão escuro pra mim?
Será que um dia, isso vai mudar?
Ou é doença sem fim?
Quem sabe, um dia eu possa amar...

Quando menos esperava,
A paixão me dominou
aprendi a amar,
foi você que me ensinou,
esta foi a melhor coisa, que me aconteceu
amar, sentir calor,
saber que você, é meu amor.

Algo que nunca senti
você sabe o jeito de me fazer feliz,
você me fez mudar,
você me fez perceber
algo que nunca soube entender,

Precisei de companhia,
uma amizade, para voltar a viver
e com ela finalmente,
senti prazer em ver...


                                                    Poema-
Minha vida era vazia
cheia de descompreensão
só sabia o que via,
da sociedade,
o podre, a escuridão

Para mim, tudo era cinza
tons, de solidão
só sei que sentia falta
de algo no meu coração.
Na minha vida
nunca tirei alta
pois só vivia na ilusão.

Como pode um humano neste mundo,
sobreviver como um defunto?
Como pode algo tão amargo
ser reconhecido mas não tocado?
Isto, ser algo abstrato?
Ou falta de compreensão?

Todos dizem:
-O AMOR É BOM!
Mas como saber quem amar?!
E não apanhar em vão??

Como alguém, como eu.
Pode saber algo do tipo?
Se nunca senti,
a calorosa emoção?!

Felicidade, amor, amizade, alegria,
falta tais coisas, em meu coração,
que sabe um dia,
encontrar, alguém, e fazer com que eu sorria??
algo difícil de entender
por isso me recolhia,
como forma de solidão.

Aos estudos eu ia
elevando minha compreensão
saber amar,
estava fora da minha ilusão.

Um mundo reconstruído,
por minhas próprias mãos,
um mundo de imaginação,
feito sim,
por falta de emoção!

Numa lua minguante,
eu chorava,
no recanto falante,
conheci Helena
que por sua beleza
apelidei-a de Serena
serena, fresca,
que acompanhou, minha solidão
não fazia noção,
de sua gratidão

tal dia fez elevar-me
aos pensamentos
por como se interessara
por tal ser, só de lamentos.
Helena, abalou meu mundo,
mudara, cores, sentimentos...
eu deixara de ser defunto!
Sua cor me envenenou
senti diferença quando disse que,
se apaixonou

Fiquei abalado
nunca ouvira isso antes,
do outro lado.
Não soube o que fazer
me senti perdido,
em meu mundo maligno.

Num dia,
cheguei a conclusão,
-vou tentar amar.
E sair deste mundo de ilusão.

Bons anos duraram,
virei um ser humano,
fiz mais amizades,
a cada ano.

Até um certo ponto
que me exclui
do antigo mundo.
Saudades de lá?
voltar JAMAIS!
Me sentia, bem por esquecer
pois compreendia que aquela,
não era a melhor teoria do saber.

Guilherme Crepaldi
Enviado por Guilherme Crepaldi em 26/09/2007
Reeditado em 09/03/2008
Código do texto: T669957

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Guilherme Crepaldi Ferreira da Silva). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Guilherme Crepaldi
São Paulo - São Paulo - Brasil
52 textos (2716 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 01:04)
Guilherme Crepaldi