Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Milagre Aconteceu. A Natureza Escutou

O amanhecer e o entardecer
Jamais poderão se encontrar!
Mas se alguém se entreter,
Poderá ao menos pensar

Que a manhã é tarde
E o ocaso é aurora,
E mesmo sem alarde,
Ignorando a hora

Fique esperando o Sol nascer...
E para sua frustração e espanto
Pode vê-lo suavemente descer
Deixando seu rastro de encanto!

Mas este insistente sonhador,
Mesmo percebendo o Sol partir,
A cada instante aguarda com amor,
O Sol para si sorrir...

Mas o tempo vai escorregando,
E o astro rei desaparecendo,
Lágrimas amargas brotando,
Esperança com o sol descendo...

Como pude ser tão tolo assim
Pensar que era aurora madrugada
Que um novo dia viria pra mim?
Uma nova e doce caminhada?

Mas as cores eram tão bem pintadas,
As curvas montanhosas do horizonte,
Os pássaros em suas revoadas,
Mas para o meu pesado desaponte,

Não era o dia maravilhoso que viria,
E sim uma noite bela também...
Mas esperava tanto, tanto nesta magia,
Que a noite agora na tardinha custo dizer amém!

Ceci, que pintaste nuvens cor de rosas
Soprastes dentro de mim ar matutino,
Me deu tantas alegrias proveitosas,
Agora apresenta-me como vespertino!

Como pude ser tão ingênuo e inocente,
Confundir o entardecer com a aurora!
Esses meses passaram pela gente
Do tamanho de uma hora...

Minha vida tomou-se de cor
O carinho nasceu de meu Ser,
De carinho virou Amor...
Como isso pode acontecer?

Oh, dia esperado e plantado...
Com tão momentos especiais...
Cadê o meu beijo, o abraço apertado?
Sumiu tudo com esta noite voraz?

Os cravados no caminho do jardim,
As pedrinhas, livros, escritos?
O que sobrou agora pra mim?
Apenas os lamentos e os gritos?

Ai guerreiro que se armou para a paz,
Arqueiro que mirou ao futuro...
Mas agora tenho que provar que sou capaz
Na noite sem você eu não murmuro...

O carrasco descansa o açoite,
Depois de me perseguir a todo custo!
Dia prometido torna-se noite,
Que terá que aceitar a qualquer custo!

Mil versos, rimas aos milhares...
Haikais, poesias longas e sonetos,
Quantos alentos e olhares...
Momentos perfeitos...

O tempo passou, a noite foi fundo...
Fria, longa, pálida sem a luz
Parece que dominou todo o mundo
A sua força negra fez jus!

Ter que respirar o ar cansado do dia,
Que na noite esfria a cada hora...
Ter que viver a dor que ardia,
Do momento que Ceci foi embora!

Juntos, o Anoitecer e o amanhecer?
É impossível crer nesta bobagem.
Mas pra nós hoje pode acontecer...
E foi real, não foi uma miragem!

Em plena noite do afastamento
Onde cumprimos a tão famosa promessa,
Mesmo baixo a um pseudo juramento,
De uma separação que nunca cessa

Permitimos uma eclipse invertida...
Onde a noite deu lugar ao dia...
Em plena tristeza da eterna despedida...
Onde nosso coração em brasa ainda ardia

Permitimos que o Sol que já se deitava
Invertesse seu sentido na contra mão
E o milagre que já não mais se esperava
Aconteceu numa grande e majestosa união!

O escuro da noite brilhava na claridade
De nossos olhares irradiantes...
A frieza noturna aquecida na felicidade
Da continuação dos abraços de antes...

A noite chegando, o dia partindo...
Anoitecendo ou amanhecendo?
A noite e o dia juntos agora sorrindo...
Lágrimas salgadas e doces descendo....

Firmes no propósito da noite eterna...
Firmes na promessa do amor infinito...
Manhã dentro da tarde, cena terna...
Milagre possível e muito bonito!

O momento foi muito mágico...
Encheu-nos de muita ternura...
A cor negra do sofrimento trágico
Deu lugar a Paz que nos cura...

Mas quem prevaleceu neste combate?
A noite avançou ou o sol recuou?
Nenhum dos dois, deu um empate...
Ao Amor Universal a natureza escutou!

Ceci calmamente alimentada sorriu
Quando Leon lhe beijou suavemente a face...
Cada um feliz e sereno seu rumo seguiu...
Mesmo longe, impossível o desenlace!!!
Leon del Bargo
Enviado por Leon del Bargo em 28/09/2007
Código do texto: T672805

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e seu email leondelbargo@yahoo.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leon del Bargo
São Paulo - São Paulo - Brasil, 56 anos
204 textos (12775 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 00:22)
Leon del Bargo