Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

apenas uma forma

Mulheres por aquela besteira
Brigam pelo o espaço no varal
Superlotada é ridículo chorar
O vizinho revolve jogar a cueca no chão
A mulher para de receber a roupa
Para beijar os filhos que sai para escola
Quer pendurar as calcinhas para secar
Curioso é ver o circo queimar
As feras soltas são muita fratricida
Atrapalhados são disparados para o lado
É uma moradia sem valor da vida então
E o pau segue comendo como uma coisa natural
Apena ingênuo demais para apanhar
São ouvidos os homens gritando no pátio
A luz foi cortada ficou seco e obscuro
Ouvidos ás súplicas dos inocentes
Serão calados na pancada dos guardas
Com essa convivência nunca foi fácil
Deixar a senha de a morte passar
Que vergonha a mulher brigar
Todos puderam escutar os gritos
De alguns malucos miseráveis
As calcinhas arremessadas no lixo
Toma uma tapa no nariz, quem discorda
Que o varal é apenas uma forma
De que as pessoas brigam sem razão
Sem essa forma que o valor da vida
Contagia sua alma ainda ferida pela vida
Edilley Possente
Enviado por Edilley Possente em 02/10/2007
Código do texto: T677095
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edilley Possente). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edilley Possente
São Paulo - São Paulo - Brasil, 52 anos
632 textos (25412 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 23:05)
Edilley Possente