Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
TERNAMENTE


Como voa a andorinha,
indo em busca do verão?
Em grupos, nunca sozinha...
Por isso sempre ouvirão,
que, verão, uma não faz.
Sozinha, ela está perdida
e jamais será capaz
de perpetuar a vida.

Mas quando voam em bandos,
chegando em formação,
sentimos os ventos brandos
e sabemos que é verão.
A exemplo das andorinhas,
buscamos por nosso par
e formada a dobradinha,
eis o tempo para amar.

Se me amas com ternura,
e escolhes ser meu par,
pode haver maior ventura?
Se me amas, vem sonhar
uma eternidade junto.
Nunca estarei perdida,
se a resposta ao que pergunto,
diz-me:- Sim, minha querida.



********************************************

Campinas é chamada de a "Cidade das Andorinhas". Suas asas negro-azuladas enfeitam nossas calçadas. No Largo das Andorinhas há um monumento às aves que alegravam as tardes da cidade, quando voltavam das campinas onde iam alimentar-se, para recolher-se ao casarão ali existente. Nesse local eram vistas em grandes concentrações, até que, pelo avanço do progresso, o casarão foi derrubado e elas se dispersaram, procurando outros abrigos. O evento é descrito por Humberto de Campos na belíssima crônica "As Andorinhas de Campinas".


Nilza Azzi
Enviado por Nilza Azzi em 14/10/2007
Reeditado em 26/02/2008
Código do texto: T694479

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor Nilza Azzi ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nilza Azzi
Campinas - São Paulo - Brasil
2225 textos (392098 leituras)
27 áudios (1214 audições)
4 e-livros (385 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 19:08)
Nilza Azzi