Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Discurso de um coração ateu

As uvas de Neruda nunca verteram lágrimas,
Enquanto ele cantava o Homem, puro e preso à terra.

No entanto, ao cantar o Amor, a terra era trampolim
Para um novo ser, mítico, saltar o cosmo.

Na voz barbuda de Ginsberg,
Ou os humanos vivem, ou se matam
[na verdade, uma ação apóia a outra.

E seus Amores, são selvas de sêmen enlameado,
Entre as coxas e ânus de homens inteligentes e jovens.

Para Vinícius de Moraes, o Amor pode ser relativizado,
Que seja eterno enquanto dure.

E a vida vai sendo uma teia de affairs, de beijinhos
De saudades e dores. As pessoas são transitórias, pois a necessidade do Amar
[esta é uma só.

Quando o Amor se abriu em mim, não pensei em Neruda,
Não fez sentido Ginsberg e ri de Vinícius.

Minha tese se fez outra, minha poesia também.
Ergui a voz contra esses estranhos, mesmo poemando como eles.

Meu Amor é Sonho puro, e se manifesta estranhamente em sofás e praças.
Um violino misterioso já tocou em sua homenagem
[a qual ninguém foi convidado.

O Amor é a missa diária do meu Ateísmo. É o maior dos colossos,
Aquele que pode substituir tudo, se necessário
[amigos, família, conhecidos.

O Amor é uma interrogação renitente, que devora os amantes pelo seu mistério.
A única certeza que se leva, é de que sua alma bailou em algum lugar
[bem longe daqui e deste corpo.

Marcelo Oliveira
Enviado por Marcelo Oliveira em 16/11/2007
Código do texto: T739478

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcelo Oliveira
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 28 anos
43 textos (4013 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 11:59)
Marcelo Oliveira