Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fênix

De repente da solidão fez-se a vontade,
Uma vontade louca de amar.
E da minha boca que cala
O que meu coração não mente
Que só por medo esconde e sente,
Fez-se o riso, fez-se o brilho do olhar voltar.

De repente do lamento fez-se a luz,
Chama mais que divina,
Uma centelha pequenina
A brotar das minhas cinzas
Renascendo a ave-menina.

De repente do pavor fez-se o alívio
Como plumas a brincar no vento
E das lágrimas fez-se o colírio
Que dos olhos desfez o sofrimento.

De repente do breu fez-se a constelação
E do retiro fez-se o paraíso
Que do momento certo fez-se a emoção
E dos mil rancores fez-se a paixão.

De repente da inércia fez-se o movimento
E das trevas fez-se o colorido,
Da tristeza fez-se o renascimento
Que só com o amor faz sentido.

De repente, muito mais que de repente,
Fez-se a ave dourada
A renascer do quase nada,
Gota de felicidade vertente
De uma entranha minada.
 
Perdoe-me, poeta solene!
De repente, tudo surge novamente.
De repente, tudo mais que de repente.
Espalha Flores
Enviado por Espalha Flores em 30/11/2007
Reeditado em 06/01/2008
Código do texto: T759168
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de ISABELLE NOGUEIRA PROENÇA). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Espalha Flores
São José dos Pinhais - Paraná - Brasil, 54 anos
55 textos (2241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 15:25)
Espalha Flores