Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A DANIELA QUE EU CHAMEI GARDENÁLIA
por Rogério Silvério, o Poeta das Sombras do Sul!
 
Leve e frágil: eis meu coração,
Isopor dentro do meu peito,
Enquanto escrevo estes versos...
Mas quebraram minha lira,
Agora uma criança forneceu-me outra!
A lira do riso!
 
Dizem que se chama Daniela,
Porém eu creio que ela se chama
Gardenália, a pequena flor de Copacabana.
 
Daniela filha de uma certa Marisa
Que sopra a dor das mentes
Que se perderam no Tempo e no Espaço.
 
Oh! Daniela vive conosco neste
Mundo estranho e esquecido de Deus.
Daniela na cova dos leões;
Seu jeito é de gata,
Mas a alma deve ser feroz como uma tigresa!
 
Daniela, a que eu chamo Gardenália,
Moça-menina de Copacabana,
Ela adorou as minhas palavras doidas
De borboleta e de vento Sul,
Soltas, loucas, nuas.
 
Gardenália fez-me rir,
Logo a mim, que sou um triste...
Eu sou um triste
Sob a máscara de uma alegria esfuziante!
 
É que quando estou mais alegre
É quando estou mais triste.
 
Gardenália fez-me rir de verdade
Neste mundo onde só encontro
Razões para chorar e chorar e chorar.
 
Gardenália, fazei-me rir de mim próprio!
Que eu quando rio de mim mesmo
Viro um rio que desagua num oceando de felicidade...
Que acaba logo, logo quando abro o jornal
E pressinto que este é o mundo da dor e da crucificação...entre lágrimas e lágrimas e lágrimas.
 
Como eu gosto de rir de mim mesmo,
Ainda mais quando estou triste
Como uma passarinho num galho de uma árvore
Ao anoitecer, trinando poemas sem jeito mas... Oh, Senhor Deus dos desgraçados, verdadeiros...
Verdadeiros como os risos da Gardenália!
 
Quando estou mais triste é quando
Estou rindo do destino dos Homens
Neste plano onde seus corpos
São gaiolas ambulantes de sonhos.
 
Gardenália, deves ser uma boa menina,
Voai comigo então nestas estrofes,
Tocai comigo as cordas da lira do meu sentimento
Que vacila na corda bamba da mágoa...
Mágoa de quê? De descobrir-me
Fantasticamente vivo num mundo
Onde só a morte liberta.
 
Cantai comigo, jovem Gardenália!
E soltai teu riso mais uma vez,
descei comigo no tobogã do riso
Álacre, pueril, mirífico!
Assim nos tornaremos amigos
Do jeito mais natural e puro! 
                 ............................


(PS: Obrigada, Rogério, por essa bela homenagem a minha filha, Daniela. Recebido em nov/2007)
Marisa Queiroz
Enviado por Marisa Queiroz em 12/11/2007
Reeditado em 25/04/2008
Código do texto: T734156

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor e link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marisa Queiroz
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
265 textos (126113 leituras)
4 áudios (831 audições)
1 e-livros (161 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 09:04)
Marisa Queiroz