Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Adeus ao contrário

Que eu morra, meu filho!
E antes de você.
Não se morra, meu filho,
Essa dor, um pai não pode ter.
Fazer-te, sim.
Ver nascer, ou não.
ver crescer, ou não
Ver morrer, Deus queira que não.
Pois que o mundo gira para um lado só,
E ninguém tem o direito de tentar mudar.

Do meu corpo, o teu corpo
Da minha alma, a tua alma.
Que o meu corpo caia na terra
Que seja você quem o enterra.
Mas que eu não veja morrer
Algo que eu vi nascer.
Faltará, mais uma vez,
Um pedaço de mim,
Porque quando você veio ao mundo,
Uma parte de mim, lá do fundo,
Se desprendeu para você.
Outras tantas eu te dei,
Quando a você ensinei
Os segredos de viver.
E se você morrer,
Tudo morre também,
E eu ficarei incompleto,
Vazio, o corpo repleto,
Da falta de você.

O eco na minha alma vazia,
O eco na casa, agora fria.
Os planos que eu fazia,
Os planos que você tinha.
Os motivos pelos quais sorria,
Que na época eu não entendia,
Quanta ironia!
Agora o que eu mais queria,
Era ver a sua alegria
Encher meu dia-a-dia.

Adeus, minha filha!
A Deus, pedaço de minha família.
Desventura que é a morte,
Sem censuras à sua sorte,
Tão mais curta que a minha.
Neste adeus ao contrário,
Peço a Deus o contrário:
-Me leva, e não a ela!
Deixe que tenha um fim
A história cujo começo é em mim.
Não há palavras para explicar o que eu sinto,
E se houvesse, admito, eu não as diria.
Me faltaria coragem.

Minha saudade imensa e sem fim,
Tua história pequena e sem fim,
Um breve texto...
Alê Campos
Enviado por Alê Campos em 25/02/2009
Código do texto: T1456143
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Alê Campos
Uberlândia - Minas Gerais - Brasil, 32 anos
46 textos (1736 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/05/21 19:54)
Alê Campos