Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TERNURA DOS 60

Aí que ternura,
aí que saudade
de toda aquela loucura
vivida na mocidade.

O que tinha para dar tudo dei
entregando o meu coração,
fui traído bem o sei
começou minha paixão.

Loucuras outras vivi
bem longe da terra natal
amigos nunca esqueci
nem do meu amado Portugal.

Foram tantas as etapas
que na vida percorri,
muitas cheias de dificuldades
mas todas elas venci.

Quando penso que envelheci
sem fronteiras de solidão,
afasto de mim o que sofri
afago as penas do coração.

Rugas se foram criando
perdendo a juventude
o cabelo foi branqueando
ficando em mim a virtude.

Meio século volvido está
e à vida continuo amarrado
o resto só Deus saberá
e os sessenta ultrapassado.

Quem eu era e o que sou
é a ternura dos sessenta,
ser pai e ser avô
caminhando para os setenta.

Não vivo na nostalgia
e o presente vou vivendo
revejo tudo o que escrevia
sempre com contentamento.

Aos netos quero transmitir
minha vida, minha experiência
com eles quero repartir
toda a minha vivência.

Não sei quando partirei,
mas isso já pouco importa,
saudades talvez deixarei
debaixo da minha porta.

Com ternura vou vivendo
nesta nova mocidade
e aos poucos desfalecendo
nos braços da terceira idade.

Quem na vida não soube amar
pouco ou nada tem para dizer,
mas é sempre bom recordar
como foi nosso viver.

Tive tempo e o vivi
com toda a sua ilusão,
mocidade essa a não perdi
a levo no coração.













ALENTEJANO ORIENTAL
Enviado por ALENTEJANO ORIENTAL em 24/08/2007
Código do texto: T621495
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ALENTEJANO ORIENTAL
China, 73 anos
93 textos (5255 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 05:13)
ALENTEJANO ORIENTAL