Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Pranto, a Queixa, a Solidão e a Morte

Fiei-me nestes sorrisos da ávida ventura:
Em mimos feminis; - como fui tão louco!
Vi raiar tanto prazer; porém tão pouco;
Momentâneo relâmpago; que não dura:

Agora; no meio desta selva muito escura:
Dentro deste penedo muito húmido; oco;
Pareço, até no tom lúgubre muito rouco;
Triste sombra como a carpir na Sepultura.

Que estância para mim tão própria; esta!
Causais-me o doce e fúnebre transporte;
Áridos matos; extensa e lôbrega floresta!

Ah! Não me roubou tudo a negra sorte:
Ainda tenho este abrigo; ainda me resta;
O Pranto, a Queixa, a Solidão e a Morte...

                                                                      05/06/2018
                                                                José Duarte André
José Duarte André
Enviado por José Duarte André em 05/06/2018
Código do texto: T6356374
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
José Duarte André
Portugal, 76 anos
493 textos (14918 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 06:28)
José Duarte André