Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BOSQUE DA AMIZADE

O pato Bob vivia a brincar sozinho
Os seus pais não gostavam dos seus vizinhos
Achavam eles muito barulhentos
Tanta festa, tantos galhos a balançar no bosque
Tantos ruídos deixavam o seu pai
Um pato velho, aborrecido.

Um dia o pato Bob olhou para o bosque
E perguntou: mãe, o que tem lá?
A pata Margor, lhe respondeu...
Não sei filho, eu nunca fui lá
Mas ouvi dizer que quem vai
Não costuma voltar.

O pato Bob insistiu...
Isso é bom ou ruim?
Margor, meio aborrecida
Respondeu, é péssimo!
O pato Bob retrucou
Como sabe, se nunca foi lá?
Menino bobo!
Gritou o velho Babú, o seu pai.
A sua mãe já falou, é péssimo e pronto!
Que coisa!
Concluiu Babú, bastante indignado.

O pato Bob inconformado
Num belo dia de distração dos seus pais desatinados
Pensou, não aguento!
Quero saber o que tem lá
Por que tanta gente canta e espanta
A todos desse lado de cá.
Como uma criança desavisada
Saiu em disparada o pato Bob a saltitar
Meio desajeitado entrou no bosque a desbravar

De repente um silêncio...
Depois galhos a estalar
Trec daqui
Trec de lá
E olhos estarrecidos entre os galhos a observar

A muito ninguém vinha...
Sussurrou o sabiá
Mas uma coisa ele o sabia, o sabiá
Ao conhecer tanta alegria
Aquele patinho seria
Mais um, a não mais voltar.

Depois do sabiá veio o grilo
Depois o coelho
E tantos outros, incontáveis
Ao novato fujão recepcionar.

E depois de tantos anos
Reclamando o velho Babú e Margor
Resolveram ao seu filho acompanhar.
Canta daqui, canta de lá
Canta o grilo, canta o sabiá.
 




Anacrônico
Enviado por Anacrônico em 13/04/2020
Reeditado em 01/05/2020
Código do texto: T6916241
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Anacrônico
Nova Iguaçu - Rio de Janeiro - Brasil
63 textos (582 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 03:20)
Anacrônico