Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Marcas

Venho da Terra chamada podre,
do pântano, onde minhas recordações,
brotando nas margens do Rio Pojuca,
derramam-se em lágrimas de néctar preto.

Eu venho daquela terra
carregado pelos braços de Xangô,
debruçado nos seios de Oyá,
dormir ao colo de Mãe Odete,
guerreira da acarajé.
Eia! Preta Véia!

Lá, vi milhares de coisas:
acordei dentro do rio,
deslizei por entre as chamas do trem,
vi o concreto brotar.

Eu venho de Pojuca
e seu forte cheiro de manga
ainda exala dos meus poros.
As pedras do calçamento
Ainda ferem meus pés

Ando e falo como o louco da feira,
dos livros que li, era o mais denso.
Era a contradição com tradição.
Corcunda, peso do tempo, reação.

Bom Jesus da Passagem
Festa do Boi Janeiro, Samba de Viola.
Ah! Samba de Viola!
Óleo negro lavando as mãos.
ROBENILSON SILVA
Enviado por ROBENILSON SILVA em 24/09/2007
Reeditado em 19/02/2008
Código do texto: T666621

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (ROBENILSON SILVA (robenilsond@yahoo.com.br)). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ROBENILSON SILVA
Pojuca - Bahia - Brasil, 36 anos
40 textos (3379 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 15:30)
ROBENILSON SILVA