Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desvirginei tristeza, e sonhador
Ou qualquer coisa assim
Nem sóbrio ou ébrio, um sofredor
Pairei na porta de um botequim

Não vi acesa luz qualquer ali
Também pudera, morta jaz a dança
E num breve segundo, morta a esperança
Foi num Sulreal, que supliquei Dali

Veio-me a boca então, amargo fel
Maldita água ardente alucinou
Capaz de desejar, lábios de mel
A prostitua me reconfortou

Talvez, incompreendida sina
Da cortisona ou força da morfina
Das marcas, do meu Ego Infernal
Cortando o corpo, qual chacina

Raiz, do abortivo ao sobrenatural...
O Guardião
Enviado por O Guardião em 19/06/2007
Reeditado em 11/09/2008
Código do texto: T532664
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
O Guardião
São Paulo - São Paulo - Brasil, 53 anos
364 textos (35139 leituras)
13 áudios (2421 audições)
2 e-livros (2003 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/19 21:36)
O Guardião

Site do Escritor